quinta-feira, 12 de outubro de 2017

InteraBanger: Torture Squad



Finalmente o Torture Squad chega com seu álbum completo com a sua hoje mais atual que nova formação. May ‘Undead’ Puertas (vocal) e Rene Simionato (guitarra) já haviam gravado o EP “Returno f Evil” em 2016 ao lado de Amilcar Cristófaro (bateria) e Castor (baixo), o que causou ansiedade nos fãs. Pelo que tudo indica, “Far Beyond Existence” atingiu as expectativas, pelo menos é o que os comentários dizem.

“Muito legal, começando pela arte do Rafael Tavares que sempre detona, do meu ponto de vista a voz da May "Undead" Puertas encaixou certinho, as participações também ficaram excelentes.” (Alexandre Rodrigues, Crushing Axes - http://www.crushingaxes.com.br/)

“Um bom disco, mas esbarra na incompatibilidade entre os vocais e o instrumental. Não estão encaixando, não sei como explicar melhor. Achei que os timbres vocais ficaram muito extremos, além do que o som da banda pede. Óbvio que é uma visão minha, admito, e sem querer polemizar ou desqualificar o trabalho alheio.” (Marcos Garcia, Metal Samsara - https://metalsamsara.blogspot.com.br/)

“Eu achei muito legal. Pra mim o Torture Squad voltou a ser o Torture Squad. Vocais alternando o gutural e o rasgado, o timbre dos instrumentos estão matadores e as intros parecem filme de terror!” (Junior Moreira, guitarrista / vocalista da Terrorcult - https://www.facebook.com/terrorcult/)

“Mayara Puertas se encaixou perfeitamente ao grupo, deixando a sonoridade mais crua e brutal. Excelente registro, que inicia uma nova e próspera fase para a banda. Um dos melhores álbuns nacionais do ano.” (Ricardo Leite Costa, Metal na Lata - http://metalnalata.com.br/site/)

“Achei uma obra prima de alto valor ao Metal Nacional, um dos melhores discos do ano!” (Gleison Junior, Roadie Metal - https://www.facebook.com/RoadieMetal/)

“Fraco, poderiam dar fim na banda ou viverem do passado mesmo.” (Leandro Fernandes, colaborador)



“Achei a produção impecável, qualidade acima da média, Amilcar sempre encaixa perfeitamente a batera no som do Torture (não erra uma). Guitarras eu curti, mas ainda sinto falta daquelas guitarras mais cavalgadas do Torture antigo, e os vocais eu achei que encaixou perfeitamente no som deles, os rasgados estão lembrando os do Vitor, e os graves bem posicionados. Eu não gostava nada da última formação, e acho que a entrada da May deu uma cara nova pra banda. O Torture reviveu!” (Edu SH, baixista / vocalista da Spreading Hate - https://www.facebook.com/SpreadingHate/)

“O som da banda esta como sempre excelente, mas achei a produção fraca em relação ao EP.” (Daniel Souza, Outlaw - https://www.facebook.com/OutlawBlackMetal/)

“Ah cara, só vejo opiniões positivas, mas eu achei meio sem graça, é um bom álbum, mas não me conquistou, digamos.” (Luis Evandro Cavalheiro Moreira, leitor – São Gabriel / RS)

“Acho que os vocais da May trouxe mais a pegada Death à banda, que no power trio era mais um Thrash, que eu não curtia muito. Acho que deu uma dinâmica nas músicas que antes não havia, tirando que ela melhorou muito e a ‘versatilidade’ entre graves e agudos me agradou. O instrumental por parte do senhor Rene Simionato ficou muito bom na guitarra dando umas ideias de riff muito diferentes do que tinha antes. Encaixaram legal todas as ideias do CD, gosto muito dessa dinâmica de Death / Thrash rápido passando por cadenciado e juntando com aquela pegada meio ‘gruvada’.” (Lucas Sansil, vocalista da Haloperidol - https://www.facebook.com/HaloperidolBand/)

“Saudades do Vitinho nos vocais... Era o diferencial da banda. Hoje não tem nada demais, ‘comunzão’ de tudo. A vocalista canta muito bem, mas realmente não engrenou.” (Junior Frascá, Whiplash - https://whiplash.net/)

“Sinceramente depois que o Vitor saiu, a banda só despencou em questão de produção. Não estou dizendo que o “Far Beyond Existence” é um disco ruim, mas o Torture Squad não é mais o mesmo.” (Marlon Combat, leitor – Nova Friburgo/RJ)

“Tive a oportunidade de ver eles ao vivo na turnê desse álbum, foi muito bom.” (Guilherme UB, leitor – Joinville/SC)

“Banda muito bem entrosada e com um material de bastante maturidade!” (Victor Augusto, Metal na Lata – www.metalnalata.com.br)

“Comprei o CD, grandes riffs, álbum muito foda e vem um poster no encarte!” (Ronnie Giehl, guitarrista da Forkill - https://www.facebook.com/forkill.thrash)

“Simplesmente o melhor álbum nacional no momento e um show incrível.” (Eddie Thrash, leitor – Rio Verde/GO)

“Achei meio sem sal, não é ruim, mas também não é tão bom. Podem me chamar de viuva, mas o último álbum deles que acho acima da média é o “Hellbound” (2008). PS: a capa desse disco é muito boa.” (Leonardo Aguiar, Mundo Metal - https://www.facebook.com/mundo.metal.page/)

“Não quero parecer ou ser ‘hater’, mas Torture pra mim é a fase do Victor, pena ter separado, nada contra a formação de agora, mas pra mim não rola.” (Wallace Silva Santos, leitor – Caçapava/SP)



* A seção InteraBanger do Blog Arte Metal, além de procurar inovar e tirar o veículo de certa rotina, tem o intuito de interagir com o leitor, músicos e especialistas no assunto sobre álbuns polêmicos ou não de bandas já consagradas e relevantes. Outros assuntos relativos às bandas ‘mainstream’ (ou nem tanto) também serão comentados esporadicamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records